Uma nova Guerra Fria estourou diante de nossos olhos, e o Bitcoin aparecerá como o grande vencedor

Notícias 18

O ponto sem volta agora parece ter passado muito tempo entre os Estados Unidos e a China. A guerra comercial entre os dois países parecia prestes a encontrar seu epílogo no início de 2020.

freebitco

E então a pandemia de coronavírus que começou em Wuhan, China, mudou completamente as cartas.

Os Estados Unidos criticaram a falta de transparência da China, acusando-a de ser responsável por esta pandemia global de uma magnitude não vista há décadas. Donald Trump chegou a dizer que a China deveria pagar por isso .

O mundo da tecnologia como um campo de batalha nesta Nova Guerra Fria

A proibição da Huawei foi confirmada, quando deveria ser suspensa. A fúria de Donald Trump foi então dirigida à rede social TikTok, que é um grande sucesso com a Geração Z. TikTok agora tem mais de 800 milhões de usuários em todo o mundo.

Donald Trump atacou o TikTok explicando que o aplicativo estava sendo usado pela China para espionar cidadãos americanos. No cerne da batalha estão os dados pessoais armazenados pela TikTok, que devem ser disponibilizados às autoridades chinesas se assim o solicitarem ao abrigo de uma lei aprovada em 2017.

O presidente dos Estados Unidos deu a entender que daria boas-vindas à ByteDance, empresa chinesa dona da TikTok, que vendesse suas atividades americanas para um gigante americano como a Microsoft.

Embora a possível aquisição da TikTok pela Microsoft permaneça pendente no momento, o veredicto acaba de cair sobre a posição de Donald Trump a respeito da TikTok.

Donald Trump acaba de aprovar uma ordem executiva que proíbe todas as transações nos EUA com o TikTok, mas também com o WeChat. Como um lembrete, WeChat é o WhatsApp chinês. É um canal de comunicação fundamental entre os Estados Unidos e a China.

Embora a maioria dos aplicativos de mensagens ocidentais sejam proibidos na China, os usuários americanos usam amplamente o WeChat para conduzir transações comerciais por meio do sistema de pagamento do WeChat, anunciar ou se comunicar com familiares e amigos na China.

China não esconde mais suas ambições e contra-ataques

A ordem executiva, que entrará em vigor em 45 dias, vem somar-se às tensões diplomáticas que já haviam se agravado em julho de 2020 com o consulado chinês em Houston, que foi fechado sem aviso pelos Estados Unidos por suspeita de espionagem.

A China respondeu rapidamente impondo, por sua vez, o fechamento do consulado americano em Chengdu, no sudoeste do país.

A situação agora parece inextricável entre as duas superpotências mundiais destinadas a se confrontar econômica e tecnologicamente no que hoje é conhecido como a Nova Guerra Fria.

A China não está mais se escondendo de suas ambições de superar os Estados Unidos e se tornar a principal potência mundial no futuro. Os Estados Unidos não pretendem se deixar destronar e parece não haver obstáculos. Veremos mais e mais restrições e proibições no futuro.

A próxima batalha acontecerá no mundo das moedas digitais

Outra área-chave da economia mundial em que esta nova Guerra Fria terá consequências importantes é a das moedas digitais.

O dólar americano é a moeda de reserva mundial. A prevalência do dólar americano no comércio mundial, especialmente no comércio de petróleo, dá aos Estados Unidos um privilégio incrível. A China está bem ciente disso.

O objetivo da China agora é tentar limitar essa dependência do dólar americano, o que dá aos Estados Unidos fortes poderes de sanção.

O plano de Xi Jinping de criar uma moeda digital apoiada pelo Estado na China é parte desse desejo de ser independente do jugo do dólar americano. O desenvolvimento do e-RMB está bem avançado, pois já está sendo testado em várias cidades chinesas.

O governo central de Pequim pretende contar com seus gigantes da tecnologia, como o WeChat, para impor seu uso aos cidadãos chineses.

Eventualmente, o objetivo de Pequim também é fazer o dinheiro desaparecer para que possa monitorar em tempo real todas as transações financeiras feitas por seus cidadãos. O e-RMB costuma ser visto como a peça que faltava no quebra-cabeça do sistema de crédito social da China.

Sem dinheiro, os cidadãos chineses serão ainda mais fáceis de controlar.

Um “mau” cidadão no sentido do Partido Comunista Chinês terá seus bens totalmente confiscados ou sua capacidade de realizar as transações diárias drasticamente limitada.

O e-RMB é, portanto, uma arma adicional no arsenal de vigilância em massa da China.

Com sua Belt and Road Initiative, a China provavelmente tentará impor o uso de seu e-RMB a seus parceiros para limitar essa notória dependência do dólar americano.

Os Estados Unidos compreenderam totalmente o perigo representado por este e-RMB.

O surgimento do e-RMB levará os Estados Unidos a criar um dólar digital

Mais e mais vozes estão sendo levantadas entre os membros do Congresso para que um dólar digital seja criado. O Fed explica que não é urgente, mas vários relatórios foram escritos pelo Senado dos EUA, confirmando que esse dólar digital está realmente sendo considerado.

A maior parte da oferta monetária já é digital . De acordo com a maioria das estimativas sobre o assunto, pode-se estimar que 90% do dinheiro é digital no momento.

Ao criar moedas digitais apoiadas pelo Estado, os bancos centrais pretendem remover gradualmente o dinheiro das mãos dos consumidores. Se a China foi a primeira a sacar com seu e-RMB, todos os outros bancos centrais mais cedo ou mais tarde seguirão o exemplo.

Sem dinheiro em mãos, todas as transações dos cidadãos poderão ser monitoradas em tempo real. A sociedade de vigilância que a China está finalizando provavelmente será exportada lenta mas seguramente também para os países ocidentais.

Como cidadão, você não poderá mais ter dinheiro fungível à sua disposição.

Sua vida privada será uma memória distante. Este cenário é extremamente perigoso, e se algumas pessoas pensam que está longe, não devem esquecer que nenhum direito ou liberdade é eterno. Seu direito à privacidade só pode ser preservado lutando por ela .

Essas moedas digitais apoiadas pelo estado são um perigo para os cidadãos

Ao permitir que o dólar digital se estabeleça, o governo americano poderá fazer a mesma coisa que a China faz com seu e-RMB. Cada cidadão será potencialmente monitorado financeiramente em tempo real. Todos os cidadãos poderão ser traçados em seus hábitos de consumo.

Sua capacidade de resistir à censura se tornará nula e sem efeito . Na verdade, se você fizer algo que não convém às autoridades de seu país, você corre o risco de ter sua riqueza confiscada. Todas as suas transações podem ser banidas por motivos arbitrários.

Você vai me dizer que isso já acontece com o sistema bancário atual. E você está certo!

Mas você ainda tem dinheiro como uma brecha no momento. No futuro, esse não será mais o caso com esta Nova Guerra Fria, que acelerará a digitalização do dinheiro do lado americano e chinês.

Muitos cidadãos ainda parecem não abrir os olhos para o que está acontecendo. Muito poucos entendem os perigos que isso representa para suas vidas futuras. Quem abre os olhos, porém, entende que, na falta de soluções propostas por seus governos, terá que buscar em outro lugar uma resposta para esse problema.

Na minha opinião, a resposta só pode ser Bitcoin.

Bitcoin é a terceira forma que se beneficiará desta Nova Guerra Fria

Bitcoin é a solução do povo apoiado pelo povo. Politicamente neutro, o Bitcoin é a melhor solução atual à disposição dos cidadãos de todo o mundo para preservar sua riqueza de uma forma que resista à censura.

Com sua rede de pseudônimos, o Bitcoin permite que você proteja sua privacidade. Claro, nem tudo é perfeito. No entanto, desenvolvedores altamente talentosos estão trabalhando diariamente para melhorar a privacidade que o Bitcoin oferece a seus usuários.

A adoção do Bitcoin continua a crescer e a tendência se acelerará dramaticamente nos próximos meses e anos. A crise do coronavírus que reviveu as tensões entre os EUA e a China provavelmente será lembrada como o ponto de inflexão para o Bitcoin no futuro.

A resposta à crise econômica, desencadeada pela pandemia do coronavírus, destacou as falhas do atual sistema monetário e financeiro. Essas falhas são agravadas pela Nova Guerra Fria entre os Estados Unidos e a China, que vai bipolar o mundo em que vivemos.

O confronto frontal entre essas duas superpotências fortalecerá a disposição dos Estados Unidos de monitorar todas as áreas da mesma forma que a China está fazendo.

Para os cidadãos, será necessário escolher uma terceira via. Este caminho alternativo é o da liberdade. Bitcoin representa aquela liberdade que dará a cada habitante da Terra a capacidade de proteger sua riqueza de uma forma que seja resistente à censura.

Conclusão

Nos próximos anos, o Bitcoin emergirá como o grande vencedor da Nova Guerra Fria que está começando a se desenrolar diante de nossos olhos, permitindo que todos os seus usuários vivam suas vidas em seus termos.

Mais cedo ou mais tarde, a maioria das pessoas sentirá essa necessidade e o Bitcoin estará lá para protegê-las.

Nesse ínterim, será muito interessante ver como a China reagirá à proibição de transações dos EUA com o TikTok e o WeChat. Como um lembrete, WeChat é propriedade da gigante chinesa Tencent. A Tencent investiu em um grande número de empresas americanas, incluindo Tesla, Reddit e Spotify.

A escalada das tensões apenas começou.

Fonte: https://medium.com/

Coin Book Brasil

Agência de notícias especializada em criptomoedas, mercado financeiro e tecnologias descentralizadas. A educação é o nosso principal valor. Aprenda, construa e prospere! Seja nosso parceiro comercial! Entre em contato através do nosso e-mail: [email protected]

Made with by CoinBookBrasil
WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com